uma tensão hoje

por Eler

Minha visão do cristianismo hoje muda todo dia. Nos útlimos três anos, acho, ela se tornou bem fluida. Acho que foram os três anos em que, mais que nunca, descobri que só posso viver o evangelho no mundo. Com isso, vêm os problemas. Porque sempre disseram que tudo o que tem no mundo é contra Deus, é do diabo, e não presta pra nada. Só que eu tenho que estudar, e não é mais no saudoso Colégio Presbiteriano, de Governador Valadares. Eu tenho amigos, e eles não são só os amigos crentes da UPA. Eu tenho que aprender, e não é a ordem dos livros na escola dominical.

A gente descobre, mais dia, menos dia, que o mundo não é preto-no-branco. A gente até descobre o que significa maniqueísmo, porque sabe o quanto essas simplificações são perigosas.

Antes eu tinha a resposta para tudo. Fumar maconha? Ah, ninguém nunca ia ter coragem nem de me oferecer, porque sabem o que EU SOU! Mitologia grega? Paganismo! Filosofia? Qual a importância dela se já sei que o fim do homem é “glorificar a Deus e gozá-lo para sempre”? Evolucionismo? Impossível aceitar que Darwin estivesse certo em uma linha qualquer, se na Bíblia diz que o homem foi criado. Ciência? Um instrumento que só comprova o que a religião já diz. Socialismo? Um sistema autoritário e perseguidor da Igreja. As outras igrejas? Pouco conhecem de bíblia, ou não diriam tanta besteira. Os ateus? Insensíveis amorais (confesso: na época, talvez nem soubesse o que era amoral). A pós-modernidade? O tempo em que o mundo se esqueceu de Deus, e em que as pessoas perderam a referência.

Mas aí descobri: é o tempo em que vivo. Onde vou ser cristão, se não no mundo? Qual o proveito têm as pedras e as plantas na sabedoria dos monges ascetas? Como vou negar tudo aquilo que ajudou a formar minha consciência, que explica o mundo em que devo viver? Parece que a tensão é nova e, por isso, não temos resposta. Talvez não seja.

Em resumo, os apologistas* dão testemunho da tensão em que vivem os cristãos dos primeiros séculos. Ao mesmo tempo que rejeitam o paganismo, têm de enfrentar o fato de que esse paganismo produziu uma cultura valiosa. Ao mesmo tempo que aceitam a verdade que encontram nos filósofos, insistem na superioridade da revelação cristã. Ao mesmo tempo que se negam a adorar ao imperador, e esse mesmo imperador os perseguem continuam orando por ele e admirando a grandeza do Império Romano. As seguintes linhas do ‘Discurso a Diogneto’ descrevem admiravelmente essa tensão:

“Os cristãos não se diferenciam dos demais por sua nacionalidade, por sua linguagem nem por seus costumes (…). Vivem em seus próprios lugares, mas como transeuntes, peregrinos. Cumprem todos os seus deveres de cidadãos, mas sofrem como estrangeiros. Onde quer que estejam encontram sua pátria, mas sua pátria não está em nenhum lugar (…). Se encontram na carne, mas não vivem segundo a carne. Vivem na terra, mas são cidadãos dos céus. Obedecem todas as leis, mas vivem acima daquilo que as leis requerem. Amam a todos, mas todos os perseguem (Discurso a Diogneto, 5:1-11)”

[In GONZALEZ, Justo L. Uma História Ilustrada do Cristianismo: A Era dos Mártires (vol. 1), p.94.]

Qual a resposta, afinal? A síntese da nossa história, enquanto cristãos, é a forma com que Deus se revelou a nós, plenamente, em seu Filho, Cristo Jesus. Ele se relacionou conosco, enquanto ainda vivíamos para o mundo (e estávamos mortos para Deus).

Se hoje estamos no caminho, é por ele. E não interessa que o caminho seja uma estrada celestial. O caminho é Cristo e o caminho é aqui. Cristianismo autista não serve para nada.


*Apologistas eram os homens que se dedicavam a defender os cristãos, no início da Igreja, em meio a ataques de cidadãos romanos e intelectuais, em tempos de perseguição ou de paz.

Anúncios

7 Responses to “uma tensão hoje”


  1. 1 Ana Paula março 23, 2009 às 2:40 am

    André!
    Seu texto é ótimo, como sempre. Leio num respiro só.
    E concordo totalmente com essas ideias: o cristianismo é pra ser vivido no dia-a-dia; ser coerente com o q aprendemos na Bíblia nas situações cotidianas é um grande desafio.
    Abraço!

  2. 2 nilberti março 23, 2009 às 4:55 pm

    Oi, Eller!

    Acho muito corajoso você expor as suas antigas idéias de cristianismo. Saiba que há muito tempo o admiro por sempre procurar sair das quatro paredes e viver nesse mundão de Deus,sem pessoas perfumadas, sorridentes, sem belos hinos, sem bíblias grandes, sem flores no altar. Um mundo que precisa de Deus em nós.

  3. 3 Tania março 23, 2009 às 10:42 pm

    Há! A citação já era esperada [tudo bem, tudo bem, eu tinha informação privilegiada], e foi muito bem colocada. Lendo o início do texto, ia esperando ela aparecer.

    Aliás, impressionante como resume muito bem toda essa dualidade do ser cristão, que você tem [nós temos?] vivido e percebido. Vem lá de trás, do começo da história. E parece que veio em cheio, pra alinhavar seus pensamentos.

    –> O texto está ótimo, e adorei a última frase. …Concordo. Qual o proveito de sermos cristãos no mundo, se fecharmos nossos olhos pra ele? É aqui-e-hoje, que devemos dar testemunho. Oras.

  4. 4 Paulo março 27, 2009 às 11:15 pm

    o caminho promete! =D

  5. 5 folton março 28, 2009 às 7:25 pm

    Parabéns André. Gostei da expressão “autista”. De fato: viver o cristianismo em um mosteiro (ou fora da realidade) é o mesmo que “acender a vela e colocá-la sob a caixa”.
    ab
    Fôlton

  6. 6 Sydão março 30, 2009 às 4:07 pm

    Caro Eler, belo texto. De fato, lidar com o mundo exige a nossa própria inserção no mundo, e não a fuga. O que estava podre só se fez vivo pq a Luz não o recusou. Continuemos a caminhada, pq a Fé tb se constrói no caminho das pedras.

    Abraço.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: